Pai: o que aprendi com o meu e uma homenagem

Tem pai que sabe jogar video game, que não sabe jogar video game. Tem pai que sabe jogar futebol e que não sabe jogar futebol. Tem pai mais bravo. Pai que brinca e também que não sabe brincar. Que dá carinho, mas tem pai que não sabe dar carinho. Engraçado, né? Às vezes a gente pensa assim: qual é o melhor? qual é o pior?

O meu pai, teve um pai (no caso, meu avô) que teve um pai (meu bisavô) que passou para ele, talvez, uma forma diferente de amar. Quantos pais eu conheço que nunca externou um carinho de uma forma mais imediata, não deixou transparecer o sentimento, mas quando a criança dorme ele vai lá no berço dela, olha e com lágrimas nos olhos via aquela pessoa que ele amava tanto.

Quantas vezes um pai chega tarde em casa por que ficou trabalhando e não que isso é certo ou que é errado, mas isso acontece e a filha ou filho já está dormindo e quando ele olha pra essa cena, ele tem aquele peso mas não consegue externar o sentimento. Quantas vezes uma lágrima tenha escorrido por ele não conseguir expressar o amor dele pelo filho ou pela filha dele.

É engraçado que quando a gente vai conseguir alguma coisa pra vida, tem dois aspectos que vão fazer a gente sair do ponto A e chegar ao ponto B. Você tem os seus recursos pessoais que levam você até lá e você tem as suas interferências que prejudicam você a chegar lá. Interferência dificulta, recurso potencializa.

E quantas vezes os nossos pais fizeram coisas por nós que naquele momento pareciam interferências mas que hoje é recurso pra gente. Eu lembro que o meu pai me acordava às 4h30 da manhã com a luz da geladeira. Na época, morávamos praticamente todos em um cômodo e eu dormia em um colchonete bem próximo a geladeira e todo dia quando ele abria a geladeira antes de ir trabalhar, me acordava!

Esse pai que me acordava às 4h30 da manhã, poderia ser “que saco de pai que me acorda todo dia esse horário” ou poderia ser a pessoa que me ensinou a força do trabalho, a força de acordar mais cedo e fazer a diferença na história da minha vida.

Ou imagina um pai que marca com você às 8h da manhã e ele chega às 7h30 para te esperar. Você chega 8h10… são 10 minutos de atraso e ele fala por uma hora, durante todo o percurso reclamando do seu atraso! Neste caso, você pode ter um pai rabugento ou alguém que ensinou a força da responsabilidade.

O meu pai, entre vários ofícios, trabalhou com frete de mudança, sabe? E se o horário marcado era 8h, às 7h ele já estava no local aguardando o ponteiro do relógio marcar 8h para ele tocar a campainha da casa da pessoa.

O meu pai me ensinou a responsabilidade, a impecabilidade da palavra. Se você diz que vai, você vai. Se você marcou 8h, chegue 7h! Pra você chegar na hora, você precisa chegar antes.

O fato é que talvez, agora, se você parar e olhar pra sua história, o que você achou até hoje que fosse interferência dele na sua vida foram justamente os pontos que deram pra você todos os recursos que você precisa hoje para ser quem você é ou pra alcançar aquilo que você quer.

E por falar no que você quer… sempre me perguntam sobre missão e propósito de vida. Por isso, escrevi um artigo sobre missão e propósito de vida: quanto mais nobre melhor?

Ahhhh, e sobre pais… deixa ai nos comentários os 2 principais aprendizados que você teve com o seu pai. Honre a sua história! Vou ficar feliz em ler isso 🙂

3 Comentários

  1. vanessa

    Lindo vídeo e demonstra o quanto podemos interpretar as coisas de maneira a sempre agregar novas experiencias positivas!
    Geronimo te conheci no me poupe, cara vc é incrível!

    Responder
  2. Roberto A Alves

    Muito “Massa”!!
    Você é uma pessoa realmente incrível.
    Parabéns pelo seu Pai, Parabéns a Você e Parabéns pela sua Família abençoada!
    “Perfeitamente!” e “Por gentileza!” resumidamente duas expressões que aprendi com meu Pai, dentro deste contexto, que procuro aplicar quando solicitado por alguém, independente de quem quer que seja ou quando necessito solicitar algo a alguém!
    Da mesma forma espero transmitir para minha Filha, meu Neto e meu Genro bons “recursos”
    E a outras pessoas que oportunamente encontrar. Grande abraço!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *